O que é pterígio e como tratar

Você já conheceu alguém com a famosa “carninha no olho”? Ela tem nome: pterígio. A condição consiste em um tecido crescido benignamente na córnea do olho. Pode ir aumentando de maneira gradativa, mas dificilmente a ponto de cobrir a pupila.

O termo surgiu do grego pteron, que significa “asa”, justamente pela lesão possuir forma de triângulo. Pode ocorrer em um ou nos dois olhos e se expandir para a área externa da conjuntiva.

O tecido possui três partes: cabeça, que é a parte corteana; corpo, que fica na região conjuntival e é a parte mais espessa e vascularizada do pterígio; além do pescoço, que consiste na parte que une as outras duas.

O pterígio recebe uma classificação em três tipos. O primeiro é com o corpo e a cabeça avançando sobre a córnea menos que 2mm, o segundo se estende de 2 a 4mm e pode levar ao astigmatismo e à redução da acuidade visual. O terceiro, por sua vez, avança mais que 4mm e atinge a zona óptica, causando redução da visão.

Sintomas e causas

O pterígio possui os mais diversos sintomas, que podem ser mais ou menos fortes a partir da evolução da doença. Os principais são:

  1. Olho vermelho;
  2. Ardor;
  3. Queimação;
  4. Irritação;
  5. Fotofobia;
  6. Sensação de corpo estranho;
  7. Visão turva;
  8. Comichão;
  9. Lacrimejamento.

É importante que se lembre que o pterígio também pode ser assintomático.

As principais causas da doença são o olho seco, exposição contínua e crônica dos olhos ao sol e exposição direta ao vento, poeira e poluição.

É uma alteração patológica mais frequente em adultos entre 20 e 30 anos e é mais comum em homens. Pode ser precedido de uma outra degenerescência da conjuntiva, conhecida como pinguécula.

A principal forma de prevenir o pterígio é evitar a exposição dos olhos aos raios ultravioletas através do uso de óculos escuros.

Como tratar o pterígio

Como já mencionado, o pterígio pode comprometer a visão e resultar em um astigmatismo severo, por isso o acompanhamento oftalmológico é fundamental para compreender o grau da lesão e o melhor tratamento possível. 

Nem sempre requer tratamento, em caso de sintomas moderados, mas, na maioria dos casos, colírios anti-inflamatórios são recomendados para evitar o agravamento temporário do problema.

A intervenção cirúrgica se faz necessária em alguns casos, quando a lesão avança de forma prejudicial à visão ou quando os tratamentos conservadores não fazem o efeito desejado. O incômodo com a aparência estética também pode ser um agravante para que o oftalmologista opte pelo tratamento cirúrgico.

A cirurgia de pterígio é realizada sob anestesia local e dura cerca de 30 minutos, com transplante de conjuntiva ou membrana amniótica.

Quer saber mais? Estamos à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficaremos muito felizes em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho como oftalmologistas em Belo Horizonte!

Comentários

Posted by DUO Oftalmologia e Plástica Ocular